1512Fri2017

Última atualização12:10:42 AM GMT

  • Clipes

  • Programas

Sample image Sample image Sample image Sample image Sample image Sample image
Sample image Sample image Sample image Sample image Sample image
Voltar Com os pés no chão

Com os pés no chão

  • PDF

Um dia Deus falou com Moisés: Tira as sandálias dos teus pés porque o lugar em que tu estás é terra santa.

Deus manifestou-se a Moisés como sendo o Deus de seus antepassados. Quem conhece um pouco da história dos hebreus, sabe que Abraão foi o homem que Deus chamou para deixar o seu país, a sua cidade e a sua própria casa e viajar para um lugar que Ele lhe mostraria. Mesmo sem saber para onde estaria indo, saiu pela fé. Habitou pela região desértica da Palestina, armando suas tendas aqui e ali, com a promessa de que através dele seriam abençoadas todas as famílias da terra.

O relacionamento de Deus com Abraão foi muito bom. Mesmo sendo ele humano, sujeito a falhas, no entanto, foi obediente e abriu uma porta para que hoje, muitos possam como ele, crer nesse Deus maravilhoso que enviou o seu próprio filho, Jesus Cristo, para ser o Salvador do mundo.

O que há de mais importante em tudo isso é que esses homens foram chamados para andar em um caminho onde não há artifícios, subterfúgios ou qualquer coisa semelhante, cujo guia é o próprio O Todo Poderoso. Se para Abraão o desafio era andar pelo deserto armando suas tendas, o de Moisés era tirar os sapatos dos pés.

Tirar os sapatos dos pés não é apenas o ato de se descalçar. É muito mais que isso. Terra Santa não é também a região ao pé do Monte Sinai, o território de Israel ou a cidade de Jerusalém. Não! Isto é geografia.

A ordem era para tirar os sapatos. O que é retirar os sapatos?

O Rabino de Apta em sua obra Oeiv Israel, diz o seguinte:

“O sapato representa o que está amoldado ao nosso pé, é a forma que acompanha nosso feitio, nossos calos”.

Deus diz ao ser humano como disse a Moisés:

“Descalça teus sapatos, retira de ti o habitual que te envolve e reconhecerás que o lugar onde estás nesse momento é sagrado”.

Habituamo-nos a determinados padrões de comportamento que se tornam nosso sapato. E com ele caminhamos pela vida. Com o sapato amoldado ao nosso pé, nos sentimos confortável para seguir em frente, sem pensar no solo porque estamos dele protegidos. Mas o sapato não nos traz a realidade. A realidade está quando pisamos o solo vivo e, por mais baixo que seja o salto ou por mais fino que seja o solado, ainda estamos mais elevados. Entre nós e o chão, há uma diferença, uma intermediação, nosso relacionamento com terra não é direto, porque não a pisamos com a planta dos nossos pés. Nossa relação com a realidade é artificial. Como Deus não queria ter com Moisés um relacionamento artificial mandou que ele tirasse os seus sapatos.

Todo relacionamento íntimo, sério, respeitoso, pessoal é sagrado. Seja no casamento, noivado, namoro. Entre pais e filhos, amigos, colegas, vizinhos, irmãos, enfim. Para que isso aconteça não pode haver artifício. Para que o relacionamento do casal seja bom, ambos precisam se descalçar. Tirar o sapato é se abrir um para o outro em diálogo franco e sincero. É enxergar o outro como gostaria de também ser visto. É não elevar-se ao patamar da superioridade, mas, colocar-se em igualdade.

Quando um casal vive com os pés calçados, o relacionamento é frio, distante, triste solitário. A confiança é abalada e perde-se a estabilidade.

A vida é como uma caminhada. Todo caminhante precisa de sapatos para caminhar, mas seu objetivo é poder descalçá-los nos momentos certos e constatar que a terra debaixo dos seus pés é santa. Essa terra que é a essência, a base de toda nossa realidade, não pode ser percebida de dentro de nossos sapatos.

Dentro de um relacionamento aquele que não tira o seu sapato, tende a ser sempre radical em seus posicionamentos para com o outro. Os fundamentalistas são exatamente os que, por sentirem-se donos absolutos da verdade, nunca tiram seus sapatos, para ninguém, para nada. Seus pés nunca tocam o solo, sua insensibilidade é total, sua tolerância, zero. Engessados e inflexíveis, só conseguem suscitar o ódio e a ira, deixando as marcas de seus duros calçados por onde passam. Suas pegadas seriam suaves se usassem as plantas dos pés ao invés de couro de animal.

A descoberta de todo andarilho é que os sapatos são bons para ir aos lugares onde não se consegue chegar descalço.

Você quer ser feliz em seu relacionamento? Quer mesmo? Então abra o seu coração para Deus, confesse Jesus Cristo com sinceridade, leia a Bíblia, ela é o manual dos descalçados. Ande por fé, os sapatos da dúvida não se amoldam nos seus pés. Além de impedi-lo de chegar, tornam a viagem muito mais difícil.

Então, tire os sapatos dos teus pés porque esse momento da sua vida é terra santa!

Que Deus te abençoe ricamente!

Seja feliz com Jesus!

Pr. João Dias



Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Newsletters

Inscreva-se para receber
os nossos informativos!

Por favor, insira seu email abaixo.